Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

União tem 30 dias para apresentar novo plano de ação contra garimpo ilegal em território Yanomami

Justiça Federal estabelece multa de R$ 1 Milhão se União não apresentar um cronograma para combate ao garimpo na terra indígena Yanomami
A imagem mostra moradores do território Yanomami. Ação publicada pelo MPF cobra ações efetivas do Estado para proteção do território indígena.

Foto: Agência Brasil

31 de janeiro de 2024

A Justiça Federal de Roraima determinou que a União apresente, em até 30 dias, um novo cronograma de ações para combater o garimpo ilegal na terra indígena Yanomami. A decisão, segundo comunicado do Ministério Público Federal (MPF), ocorreu após a constatação da falta de ações efetivas do Estado para proteger o território tradicional e retirar os invasores. Uma multa de R$ 1 milhão foi estabelecida como medida caso a determinação não seja cumprida. 

A audiência de conciliação, realizada pelas 1ª e 2ª Varas Federais de Roraima, atendeu a uma solicitação do MPF. Representantes de vários ministérios e órgãos, incluindo Justiça, Defesa, Saúde e Meio Ambiente, participaram da reunião. A Polícia Federal, Força Nacional de Segurança Pública, Estado de Roraima, Funai e ICMBio também estiveram presentes.

O MPF argumentou que as operações anteriores não foram suficientes para impedir a reocupação do território Yanomami pelo garimpo, e a União descumpriu compromissos anteriores de apresentar um plano para proteger a região, especialmente o rio Uraricoera, principal entrada de garimpeiros.

A Justiça Federal já havia determinado, em ações movidas pelo MPF nos anos de 2017 e 2020, a instalação de bases de proteção e a retirada de invasores do território. O procurador da República Alisson Marugal destacou que se essas decisões tivessem sido cumpridas, a tragédia humanitária e ambiental na região poderia ter sido evitada.

A União se comprometeu, durante a audiência, a apresentar um novo cronograma de ações que inclua a remoção dos garimpeiros, a instalação da base de proteção Pakilapi e a implementação de políticas públicas permanentes na terra Yanomami nos próximos 30 dias. A decisão judicial sobre a multa de R$ 1 milhão pode ser contestada.

Garimpo em território Yanomami cresceu em 2023

O Instituto Socioambiental (ISA) e a Hutukara Associação Yanomami apresentaram,com base em dados de um monitoramento do Greenpeace Brasil, uma nota técnica que aponta o crescimento do garimpo em território Yanomami. Segundo o relatório, as ações ilegais do garimpo desaceleraram em 2023, mas tiveram a sua área ampliada em 7%, acumulando um total de 5.432 hectares devastados.

Também foram registrados 1.127 notificações de novas áreas de desmatamento e 308 mortes de Yanomami e Ye’kwana. No dia 16 de janeiro, a ministra dos Povos Indígenas, Sônia Guajajara, admitiu que a crise humanitária no território não será resolvida imediatamente, apesar dos esforços do governo federal.


“Para quem não conhece o território, é importante entender a complexidade [da situação]. E não só pensar: “ah! Passado um ano, não se deu conta”. Ou: “Ah!, em um ano vai resolver”. Não resolvemos e, possivelmente, não se resolverá em toda a sua dimensão em 2024”, pontuou a ministra ao ressaltar que levará anos para que o território se regenere da destruição causada pelo garimpo ilegal.

  • Giovanne Ramos

    Jornalista multimídia formado pela UNESP. Atua com gestão e produção de conteúdos para redes sociais. Enxerga na comunicação um papel emancipatório quando exercida com responsabilidade, criticidade, paixão e representatividade.

Leia Mais

Quer receber nossa newsletter?

Destaques

AudioVisual

Podcast

EP 153

EP 152

Cotidiano